sexta-feira, dezembro 29, 2006

Ano Novo, Sítio Novo


Com os votos de um excelente 2007 para todos aqueles que visitam o Pensar Almeirim, informo que a partir do próximo dia 1 de Janeiro estará neste
sítio.

sexta-feira, dezembro 22, 2006

Feliz Natal IV

Desejo a todos os que lêem e comentam no Pensar Almeirim e a toda a comunidade bloguística almeirinense, os votos de um Santo e Feliz Natal.


"Happy Xmas (War Is Over)" - John Lennon

quinta-feira, dezembro 21, 2006

Feliz Natal III


"Fairytale of New York" - The Pogues & Kirsty MacColl

quarta-feira, dezembro 20, 2006

Feliz Natal II



"Driving Home For Christmas" - Chris Rea

terça-feira, dezembro 19, 2006

Feliz Natal I

"A Winter's Tale" - Queen

Embrulhadas

Embrulhada número um

Parecer sobre administrador da CULT suscita reacções


Embrulhada número dois

Câmara de Santarém saiu da Águas do Ribatejo


Embrulhada número três

Aterro da Raposa funciona sem licenciamento ambiental

sexta-feira, dezembro 15, 2006

"Opinião Pública"

Desde o passado mês de Junho que o jornal "O Almeirinense" tem vindo a realizar, com alguma regularidade, debate sobre temas que interessam ao concelho de Almeirim, naquilo que designam por "Opinião Pública".

A primeira realizou-se no Auditório da Biblioteca Municipal Marquesa de Cadaval no dia em que se comemorava o 15.º aniversário da elevação de Almeirim a cidade. No passado mês de Outubro, uma outra sobre a temática do vinho.

Hoje, pelas 22 horas, no Auditório da Santa Casa da Misericórdia (sito na Rua Almirante Reis), irá discutir-se a Solidariedade.

A "Opinião Pública" é organizada pelo jornal "O Almeirinense" em parceria com a "RCA-Ribatejo", que transmite em directo o debate.

Insegurança


Muito se tem falado dos problemas da segurança (ou melhor, da insegurança) do nosso concelho, e da cidade de Almeirim em particular.

Há protocolos para ajudar os comerciantes e os idosos, há o patrulhamento a cavalo e de bicicleta e há, sempre quem diga que Almeirim não sofre de insegurança. Eu penso o contrário. E, infelizmente, tenho razões para dizer isto. Ontem à tarde, em plena luz do dia, a minha mãe foi assaltada na Rua S. Tomé e Príncipe por dois deliquentes encapuçados que, por esticão, lhe tiraram a mala e roubaram dinheiro (para quem desconhece a localização desta rua, junto mapa).

E, por estes lados, não vejo qualquer patrulhamento da GNR. Resido a uns 100 metros do local e nunca vi militares desta força a patrulharem as ruas do Bairro da Troia. Sou obrigado a afirmar que esse patrulhamento apenas se verifica na zona central de Almeirim (como se a nossa cidade se resumisse a esta zona), e se limita ao controle de infracções ao Código da Estrada.

Sei que virão pessoas dizer que os efectivos locais não chegam. Mas, também, não vejo as pessoas que dizem isso, "mexer uma palha" para que a situação melhore. Muitas promessas, mas nada de concreto foi (é) feito.

Almeirim, que costumava ser uma vila pacata, onde se podia andar a pé de noite sem qualquer receio, é hoje uma cidade em que circular, de dia por algumas ruas, se pode tornar um pesadelo.

quarta-feira, dezembro 13, 2006

30 anos de Poder Local

Apesar de ser autarca, não posso deixar de concordar com Pedro Marques Lopes, que escreve no blogue 31 da Armada o seguinte:

"Autarquias
Há trinta anos foram as primeiras eleições autárquicas pós revolução. Na minha opinião, a única coisa que há para comemorar é o facto em si, ou seja, poderem ser os cidadãos a escolherem os seus órgãos de governo local.
Passados trinta anos constato que a nossa experiência de poder local foi absolutamente desastrosa. Basta conhecer, minimamente, o país para constatar que houve uma sistemática destruição da nossa paisagem provocada pela ignorância, impreparação e desleixo dos detentores do poder autárquico. As autarquias transformaram-se em autênticas agências de emprego para as estruturas partidárias locais. Constituíram-se milhares de empresas municipais que, na sua esmagadora maioria, servem para exercer funções que são da responsabilidade das autarquias não servindo para outra coisa que não seja arranjar mais empregos e duplicar salários aos detentores de cargos autárquicos. Grassa a corrupção, o compadrio e o nepotismo.
É urgente repensar toda a estrutura de poder local."